Homem é condenado a mais de 30 anos de prisão por agenciar e coordenar ações que mataram dono de cartório em Goiás

Compartilhar esta postagem

Luizmar Francisco Neto foi denunciado pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) por agenciar e coordenar as ações que mataram dono de cartório Luiz Fernando Alves Chaves, em Rubiataba, na região central de Goiás. Ele foi condenado a 31 anos e 6 meses de prisão.

O MP pediu a condenação do réu pelos crimes de homicídio qualificado e roubo circunstanciado. A defesa pediu o afastamento das qualificadoras, a condenação do réu por homicídio simples e a absolvição dele em relação ao crime de roubo majorado.

O crime aconteceu em dezembro de 2021. O julgamento foi realizado na última segunda-feira (11) e o MP foi representado pelas promotoras de Justiça Yule Reis e Gisele Campos.

Segundo ela, Luiz Fernando foi sequestrado em casa por dois homens, levado em seu próprio carro, e foi morto com 15 disparos de arma de fogo. O corpo foi encontrado em um canavial, a cerca de 20 km da cidade.

Segundo a denúncia, o réu, Luizmar Francisco Neto, teria planejado e arquitetado o crime. Ele se encontrou com os atiradores para repassar informações sobre a vítima e sua rotina, além de entregar a eles as chaves da residência da vítima, o controle do portão e as abraçadeiras de plástico para amarrar as mãos do cartorário.

Além disso, o acusado ainda disse como eles deveriam fazer e os deixou próximo ao local dos fatos. Além da morte, o réu foi também julgado pelo crime de roubo circunstanciado pelo concurso de agentes, restrição da liberdade da vítima, e uso de arma de fogo.

O julgamento foi realizado pelo juiz Alves Lessa que levou em conta, entre outras agravantes, o fato do acusado ser reincidente em diversos processos penais e ser o autor intelectual do crime.

Com isso, Luizmar Francisco Neto foi condenado a 31 anos e 6 meses de prisão. Além disso, foi fixada uma indenização mínima no valor de R$ 10 mil, em favor da família da vítima, com incidência de juros de mora desde a data do crime.

O réu, que está preso preventivamente, não poderá recorrer da sentença em liberdade. Outros seis réus também estão sendo processados para serem julgados pelo Tribunal do Júri da Comarca de Rubiataba.

Facebook Comments Box
Please follow and like us:
Pin Share

Mais para explorar

A informação ao alcance do seu like. Nordeste e leste goiano.

Compartilhe

Sobre

Links principais

RSS
Follow by Email